sábado, 4 de março de 2017

Refúgio

São erros constantes na vida que nos remetem a um pensamento inútil de não vivência. São os mesmo erros que nos fazem crescer e regredir. São erros que nos fazem pensar e chegar às conclusões mais certas. São erros os que nos levam a pensamentos erráticos e sem sentido. É por vezes a distância que nos faz viver a falta de alguém a qual não queremos largar por nada. A distância que nos atrai, aumenta a fome do querer, a saudade de viver. Viver junto de quem um dia queremos tão perto, como uma simbiose perfeita entre dois corpos que se tornam um só; no outro dia não conseguimos ver ninguém à frente e tudo nos parece errado. Não é fácil lidar com o sentimento de amar, e enganem-se aqueles que julgam o amar igual a cliché. Um dia és a mais bela cerejeira em flor, no outro és a raiz mais negra e profunda que existe em mim. No entanto não deixas de cá estar e a beber da mesma fonte que eu. A fonte que se chama Loucura. A loucura de querer sempre mais e melhor mesmo cometendo os mesmos erros com base em crenças que não existem.

domingo, 30 de novembro de 2014

(...)

Hoje Aprendi. Aprendi de uma forma calma e com sentimento de paz. Energia tal que envolveu uma sala repleta de turbilhões de sentimentos. Confirmei que o amor ainda é vivido de uma forma natural, fiel, íntima e apaixonante. Que até na falta de um ente próximo o amor supera a saudade e o sentimento de perda. O papel de pai tem um marco tão condutor para o sentido da vida, como os regatos e rios têm com a água. Marcos simples, fluídos, com obstáculos à mistura mas sempre com um propósito. Final esse que pode ser de união ou discórdia. Contudo os mais altos valores morais e éticos levam sempre a uma união de amor vivido em fratria. A humildade, receptividade, honestidade, abertura e solidariedade são agora palavras de ordem para com o próximo. Partiu da sua bondade ensinar os outros, esses recolheram e partilham agora num ciclo harmonioso sem fim. O mundo mudou à 95 anos e hoje volta a mudar outra vez.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

(...)

Por entre linhas indefinidas de pássaros na primavera, melodias bizarras de tão boas que são, soam nos meus ouvidos como o leve toque da seda que és. Acordes longos de pianos distorcidos, orquestra de cordas cheia de força e garra, os pratos batem de vez em quanto, os sopros entram como se uma história de fadas e princesas se trata-se. Tapete vermelho com pétalas vermelhas a cair do céu. O sol realça o dourado abundante entre vigas infinitas envoltas num espiral de rosas brancas a tocar o azul. Para que a melodia não seja sempre a mesma o cenário muda e mais tarde será recordado.O pano cai é reparado e volta a ser reutilizado para que os pássaros voltem a voar.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

domingo, 3 de novembro de 2013

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

domingo, 29 de setembro de 2013

quarta-feira, 4 de setembro de 2013